SOBRE

Com seu primeiro trabalho solo, o EP "Lila", lançado em 2015, a cantora foi uma das três indicadas pelo júri do Prêmio Multishow como "Artista Revelação" e também foi escolhida como uma das apostas para 2016 do Spotify.
Em 2016, Lila lançou, em parceria com o DJ João Brasil, a faixa “Não Fui Eu, Foi o Carnaval” e o single feminista “Não é Não”, em parceria com o DJ e produtor Leo Justi, do selo/festa Heavy Baile. A música, com mais de 1 milhão de plays no Spotify, fez grande sucesso em sua apresentação no Coala Festival, que acontece em São Paulo e no qual participou juntamente com artistas como Céu, Silva e Karol Conka para um público de 10 mil pessoas.
Em outubro de 2017, Lila lançou nas plataformas de streaming o EP “Lila canta Carnaval”, fruto do show que fez especialmente para o programa Versões, do Canal Bis, com repertório de músicas de carnaval repaginadas em estilo diferente das gravações originais.
Em 2021 lançou Puérpera. Com sonoridade contemporânea e junto a uma zine digital (acesse aqui), o álbum chega após um longo período de reclusão desde a gestação do primeiro filho da cantora, amapaense de documento, mas carioca por vivência. O disco, produzido por Diogo Strausz (conhecido por trabalhos com Alice Caymmi e BaianaSystem) e Tomás Tróia (responsável pelas produções de Duda Beat, ao lado de Lux Ferreira), reúne composições próprias e uma colaboração com a artista carioca Letrux, na faixa “Gira”, que, além de compositora, participa recitando um texto de autoria da Mãeana,  na abertura da faixa. 
Em sua trajetória como cantora, Lila participou também dos grupos Mulheres de Hollanda e Quarteto Primo (indicado a melhor grupo de MPB no Prêmio da Música Brasileira em 2012), gravou com Menescal, Guinga e Francis Hime e é hoje vocalista do bloco de carnaval carioca Fogo e Paixão.